Conectividade Funcional: ferramentas moleculares na análise de processos ecológicos e evolutivo

Vigência: 02/2010 a 01/2014

Financiador: CAPES

 

A presente proposta tem como meta, durante o próximo triênio, a consolidação e expansão da linha de pesquisa em “Ecologia da Conservação” com implantação de uma nova linha de pesquisa em “Conservação da Conectividade” no Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Biomonitoramento - PGEcoBio. A estratégia passa pela nucleação de pesquisas em “ecologia molecular”, que já mostra clara tendência de transversalidade a pelo três das cinco linhas de pesquisa consolidadas no Programa: “Ecologia de Populações e Comunidades”, “Ecologia da Interação Planta-Animal”, “Ecofisiologia & Comportamento Animal”.

A cooperação acadêmica com a PGGenética-USP também contribuirá para ampliar e consolidar parcerias já existentes do PGEcoBio com grupos de pesquisa ou laboratórios nacionais e estrangeiros que aplicam as técnicas da genética molecular (Universidade da Califórnia, EUA; Universidade de Guelphi, Canadá; Universidade do Porto, Portugal; Universidade Estadual de Santa Cruz, BA), incluindo a própria Universidade de São Paulo. Promoverá a formação de doutores em temas de “ecologia molecular”, contribuindo também para dar maior visibilidade à produção qualificada do Programa, com publicações de artigos em periódicos de impacto (e.g., Molecular Ecology; Molecular Ecology Resources).

O uso de ferramentas moleculares em estudos ecológicos ainda está pouco disseminado no Brasil, embora seja rotina em centros de pesquisa em vários países desenvolvidos. Em função disso, por vários anos, a CAPES e CNPq têm financiado integralmente a realização de doutoramento por brasileiros junto a centros de pesquisa com expertise no uso dessas ferramentas no exterior.

Atualmente, na região nordeste, o investimento em infra-estrutura para uso de técnicas moleculares está concentrado, principalmente, nas áreas de saúde, medicina legal, produção vegetal, bancos de dados genéticos e biotecnologia. Paralelamente, assim como no Instituto de Biologia da UFBA, há iniciativas regionais difusas no sentido de capacitar e consolidar grupos locais de pesquisa nas Universidades Estaduais, na área de biologia molecular (p.ex., UESC e UEFS). Entretanto, ainda não há ações coordenadas no nível de pós-graduações para consolidação da ecologia molecular como linha de pesquisa. O perfil do PGEcoBio é particularmente favorável à esse tipo de iniciativa, considerando a competência adquirida com os cursos acadêmicos em ecologia (Mestrado e Doutorado) e a implantação do Mestrado Profissional em “Ecologia aplicada à Gestão Ambiental”, em 2010.

Equipe

  • Mauro Ramalho - PG-UFBA - Coordenador
  • Maria Cristina Arias - PG-USP - Coordenador
  • Cristina Yumi Miyaki -USP
  • Tatiana Teixeira Torres - USP
  • Pedro Rocha - UFBA
  • Blandina Viana- UFBA
  • Nádia Roque - UFBA
  • Iara S. J. Bravo - UFBA

Instituições:

  • Instituto de Biociências da USP
  • Universidade Federal da Bahia